Apoios:

Esta crônica:                                                    

Outras crônicas:                       

04/10/2002: 

A fascinante capital da Bavária 

Logo que cheguei na cidade, me levaram a um lugar que disseram ser típico. O ambiente era grande e espaçoso como um galpão, iluminado por uma luz um pouco mais forte que uma “meia-luz”, suficientemente clara para ver os detalhes da decoração rústica. O que animava o lugar era a alegria das pessoas; algumas de pé, outras dançando, outras sentadas conversando animadamente.

As mesas longas nos obrigavam a sentar com desconhecidos e a brindar com eles em enormes canecos. Prosit! ("saúde" ), era assim que diziam uns para os outros. O burburinho era de tempos em tempos sufocado por uma bandinha, que passava a tocar músicas típicas. Homens trajados com calças pela canela, com suspensórios e chapéus pretos, tiras verdes e penas vermelhas festejando, tais eram os trajes e as imagens mais vivas do lugar.

Lá estava eu, em Munique, na Alemanha. Minha recepção não poderia ter sido melhor. Hofbraühaus, uma cervejaria com o que há de mais típico possível de conhecer na Alemanha. Os canecos gigantes de chope de 1 litro são comuns na Baviera. As biergartens, ou cervejarias, também são famosas na região. A cerveja é produzida no próprio local. Freqüentadores assíduos ganham seu caneco particular de bronze (quase um barril!).  É nas cervejarias que os alemães cantam, dançam e se divertem, ao sabor da deliciosa cerveja da casa e dos pães prietz. A melhor imagem de uma Alemanha típica obtém-se na Bavária, na sua região sul, a zona da cerveja.

A maior festa da cerveja do mundo acontece todo ano em Munique. A tradicional Oktoberfest, que inicia em setembro, surgiu originalmente na cidade e hoje já ganhou o mundo. No Brasil, as festas do chope repetem esta tradição no mês de outubro, em diferentes localidades marcadas pela colonização alemã. São famosas as Oktoberfest de Blumenau, em Santa Catarina, e de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul.

Apesar de não poder participar desta maior Oktoberfest de Munique, fui conferir o parque onde em poucos dias seria realizado o evento. O lugar é enorme. Cada cervejaria (e são muitas) tem uma barraca, ou melhor, um galpão, e dizem que cada uma tem um público distinto. Pratos típicos bávaros também fazem parte da festa: chucrute, salsicha bock e joelho de porco são os mais comuns. A culinária alemã utiliza muita carne de porco, principalmente diversos tipos de lingüiças e salsichas.

Mas não é só chope e Oktoberfest que chamam atenção na Alemanha. O país também é rico em história e em arquitetura. Em Munique, o prédio da prefeitura ("Rathaus", em alemão), constitui uma linda construção neogótica, e a consideram como sendo o cartão postal da cidade. As torres gêmeas da Igreja de Nossa Senhora são o símbolo de Munique. É nessa igreja, datada de 1271, que está o túmulo do rei Ludwig I. Ainda no centro, se localiza o pórtico/palanque onde Hitler discursou. Nem tão longe dali, em Nuremberg, seria o ponto central de seu “Império”.

Munique, ou München em alemão, é a capital da Bavária e uma das cidades mais populares da Alemanha. Possui uma população muito semelhante a de Porto Alegre, de 1,3 milhão de habitantes. Para os padrões europeus, também é uma cidade grande, e cara. Lojas finas, roupas de grife e empresas de grande poder econômico estão lá. É também sede de marcas como BMW e Siemens. Quem gosta de carros e não se satisfizer com as vitrinas das diversas lojas, pode conferir o Museu da BMW.

Como cidade grande e com muitos jovens, Munique também é uma cidade vanguardista. Casais homossexuais, tanto de mulheres quanto de homens, são aceitos e exibem seus carinhos em público. Nos dias ensolarados de verão, os alemães enchem os parques para pegar um solzinho e fazer seus piqueniques. O mais famoso de Munique é o Jardim Inglês. Eu já estava me acostumando com o hábito das mulheres européias de fazerem top less, mas imaginem qual foi a minha surpresa ao ver homens, e até uma mulher, nus em pleno parque num sábado à tarde! Eles tiram mesmo toda roupa. Alguns ficam de sunga, outros sem nada, deitados tomando sol. Ninguém fica olhando ou falando a respeito, pois encaram isso com naturalidade. Imaginem se fosse no Brasil...

Pois enquanto uns se despem, outros se vestem a rigor. Do outro lado do parque, num restaurante chiquérrimo em frente ao lago, homens vestem smokings; e as mulheres, vestidos longos. Vestem trajes de gala para jantarem no Jardim Inglês. Outra curiosidade do parque: surf em água doce. O rio que corta o parque atinge alta velocidade em certos pontos e acaba formando corredeiras e ondulações. Nesses locais, surfistas fazem filas para pegar uma onda. Bizarro, não? É criatividade de países que não têm muitas opções de praias.

Munique foi se revelando aos poucos... Oktoberfest, canecos gigantes, nudez no parque, lojas finas para compras. Uma delícia de cidade e com os ares típicos da Bavária!

Imagens: 

  - Cervejaria da Oktoberfest:   1,   2

- Torres gêmeas:   1

- Prefeitura:   1,   2

- Pórtico em que Adolf Hitler discursou:   1

(Lilian Piraine Laranja)