Apoios:

Esta crônica:                                          

Outras crônicas:                       

22/08/2002: 

Paris, cidade luz!

Seis horas de trem de Rotterdam e a silhueta da famosa capital francesa começava a se revelar. Da janela do trem, os primeiros prédios iluminados pela luz do amanhecer começavam a aparecer. Lá estava eu em Paris. Às 7 horas da manhã, sem saber para onde ir. A sensação de chegar é sempre interessante, cercado de muitas dúvidas e incertezas, e com muitas coisas novas a descobrir. As primeiras impressões foram de uma cidade vazia, compreensível levando em conta o horário e o dia, um domingo. Acabei vendo Paris despertando, os turistas começando a chegar, o comércio abrindo suas portas. Tudo isso enquanto caminhava pelo centro da cidade em busca do escritório de informações turísticas, localizado adivinhem onde... na avenida Champs Elysees, bem pertinho do Arco do Triunfo! Parecia um sonho.

Os três dias em que estive em Paris foram otimizados ao máximo, já que é pouco para conhecer todas as suas atrações. Entre elas, a mais marcante foi a Torre Eiffel. Ela é tão simbólica, que no nosso imaginário parece que nem existe. Quando finalmente me deparei com ela pertinho, enorme e imponente, foi uma emoção só, nem acreditava. A chuva que começou a cair justamente nessa hora não atrapalhou em nada e fiquei apreciando o monumento por um bom tempo. Claro que iria subir na torre e voltei no outro dia para apreciar a linda vista do seu alto. É possível subir de elevador ou de escada; escolhi a segunda opção e subi os 700 degraus para encontrar uma linda visão panorâmica de Paris e de seus principias pontos turísticos ao longe. O que encontrei é uma Paris enorme, com prédios antigos em tom ocre, uma pequena “ilha” onde ficam os prédios modernos e muitos monumentos históricos.

Para completar o roteiro típico parisiense, a caminhada na beira do rio Sena, que corta a cidade. Muito interessantes são as praias que  montaram em suas margens. Canteiros de areia onde as mulheres vão tomar banho de sol e as crianças fazer castelinhos. Plantaram até palmeiras para dar um clima mais tropical. À beira do rio Sena está o Hotel de Ville , que  é a prefeitura de Paris, e perto dali a Catedral Notre Dame. A célebre igreja é linda com suas torres famosas e lendárias. No interior da igreja, destaque para a estátua de Joanna D'Arc. Seus vitrais também merecem uma boa atenção.

Outros dois pontos turísticos encontram-se na mesma zona. O Centro Pompidou  e o Pantheon. O primeiro constitui o grande museu de arte moderna, com exposições do que há de mais contemporâneo em termos de arte e design. O prédio chama a atenção com suas tubulações coloridas e arquitetura moderna, contrastando com o resto da cidade. O Pantheon já foi uma igreja e atualmente estão depositados ali os restos mortais de personalidades célebres, como  Victor Hugo, Voltaire e Rousseau. Considerando monumentos, não se pode esquecer do Arco do Triunfo, que foi erguido em homenagem às vitórias de Napoleão Bonaparte. O monumento se alinha com a praça Concorde, onde mais de mil pessoas foram guilhotinadas, incluindo Luís XV. Esta praça se localiza no fim da avenida Champs Elysees, a mais chique de Paris. Com o segundo metro quadrado mais caro da Europa, a avenida  tem restaurantes caros e lojas famosas, como a Luis Viton. Uma cerveja belga custa por volta de 8 euros e as galerias de arte expõem quadros de dez mil euros.

Próximo dos jardins de flores silvestres da praça Concorde, se enxerga a cúpula dourada do Palácio Invalides. Nesse lugar, viviam os ex-combatentes de guerras e é lá que estão depositados os restos mortais de Napoleão Bonaparte.

O museu do Louvre é outra atração imperdível e é preciso reservar um dia inteiro para percorrê-lo, e mesmo assim não dá para observar tudo. O museu é enorme e tem coleções variadas, para todos os gostos: antiguidades da Grécia, do Egito, da Mesopotâmia; pinturas francesas e italianas, esculturas renascentistas, mobílias medievais,  e até o quadro da Mona Lisa. Claro, somente ele já vale a entrada. As coroas do reinado de Luis XV, com seus diamantes, também vale a pena. Porém, visitar o Louvre depois  de subir os 700 degraus da Torre Eiffel foi uma infeliz idéia, bastou umas voltinhas no museu para o cansaço começar a chegar e ter que voltar.

A culinária francesa é algo a parte e um charme só. Os restaurantes são caros,  e geralmente servem entrada, salada, prato principal e sobremesa, em que não pode faltar um bom vinho (os parisienses não admitem tomar refrigerantes como Coca-cola em refeições típicas). Para quem quer economia, os baguetes, crepes e quiches são as melhores opções; são simples, mas sempre têm um toque a mais. Paris é uma cidade tão turística que, por incrível que pareça, fica difícil saber quem é francês e quem é estrangeiro. Uma coisa é certa; poucos parisienses têm paciência para dar informações e, quando dão, é em francês. Poucas pessoas falam inglês e não vi nenhuma escola de inglês na cidade. Esta é uma característica muito interessante, para uma cidade tão turística.

Paris é a cidade para quem procura glamour, marcas e sofisticação. Perfeita para ser apreciada a dois, a cidade alia o romantismo, a história e o glamour. Aprecie um bom vinho, caminhe pelas margens do rio Sena, visite o Louvre e se divirta nessa cidade tão mágica e encantadora.

Imagens: 

- Prefeitura:   1

- Praias artificiais nas margens do rio Sena:   1

- Estátua de Joana D'Arc, na Catedral de Notre Dame:   1

- Catedral de Notre Dame:   1

- Centro Cultural Georges Pompidou:   1,   2

- Torre Eiffel:   1,   2,   3,   4

- Vista de Paris norte, do alto da Torre Eiffel:   1

- Vista de Paris leste, do alto da Torre Eiffel:   1

- Vista de Paris oeste, do alto da Torre Eiffel:   1

- Vista de Paris sul, do alto da Torre Eiffel:   1

- Estruturas do Louvre:   1

- Coroa de Luis XV, no Louvre:   1

- Venus de Milo, no Louvre:   1

- David, de Michelangelo, no Louvre:   1

- Mona Lisa, no Louvre:   1

- Museu do Louvre:   1

- Interior do Louvre:   1

- Basílica de Sacré-Coer:   1

- Túmulo de Jim Morrison, Cemitére du Père Lachaise:   1

- Túmulo de Chopin, Cemitiére du Père Lachaise:   1

- Panthéon:   1

(Lilian Piraine Laranja)